Arquivo para novembro, 2008

O Andarilho VI: “Retorno”

Posted in Narrativos with tags on 17/11/2008 by Carlos Jorge

O ANDARILHO VI: “RETORNO”
Autor:
Carlos Jorge


A todos aqueles que teimam em ponderar:
“Ele é apenas uma lenda. Lendas são quimeras.”
O nobre errante retorna das sombras…
E com ele novas batalhas virão.
Se ele vencerá?
Apenas o vindouro dirá.
Se ele está preparado?
Ele é sucinto…
Nem é preciso perguntar,
Pois ele vive para lutar.
Novos anseios lhe corrompe,
Novas pedras lhe interrompe.
Mas a saga de uma lenda…
Não só é feita de desgraças,
Haverá novos sentimentos…
Para ele obrar com discernimento.
O Andarilho voltou…
Ele cresceu,
Desenvolveu-se.
E agora ele parte novamente,
Rumo ao incógnito.
Seguindo sob o brado do silêncio.

16 de novembro de 2008

Anúncios

“Escreveu não leu…”

Posted in Crônicas on 16/11/2008 by Carlos Jorge

Quem nunca ouviu falar neste dito; “Escreveu não leu… O pau comeu.” Pois é, deixemos de lado a violência, ou seja lá o que você leitor tenha pensado. E vamos analisar o “Escreveu não leu”. Quero começar dizendo que este trecho se cabe a mim, infelizmente não possuo o hábito da leitura. Todavia gosto muito de escrever (poemas em especial) para poder me distrair, divertir, desabafar, enfim, comunicar-me e expressar-me com o mundo e as pessoas, embora seja eu pouquíssimo conhecido, devido à falta de divulgação por mim mesmo. Mas isso é apenas um detalhe. Às vezes penso se alguns dos consagrados escritores paravam para ler um folder.

Mas não é tão ruim assim, o pior é se eu fosse analfabeto né? Apesar de não possuir o hábito assíduo, gosto de ler reportagens e artigos em revistas e principalmente na internet. Caso contrário eu não saberia que 45% dos brasileiros não possuem o hábito da leitura. E veja bem, estamos na terra de Machado de Assis e Jorge Amado. Portanto, a você que gosta de ler eu farei um pedido, após terminar de interpretar este texto. Por favor, comece a ler meus escritos hehehe.

 

Carlos Jorge Silva Lima Filho

16 de novembro de 2008

Coleção: Renegados

Posted in Coleção on 04/11/2008 by Carlos Jorge

“Renegados, coleção de poemas que foram escritos por mim, mas não vingaram…”

1.FORCA

A corda está no meu pescoço,
Estou em cima do altar…
Tanta coisa me deixa nervoso,
E uma corda pode me ajudar?
Lá em baixo vejo o fim da linha…
Cá em cima não vejo linha,
A corda no meu pescoço coça…
A voz diz para eu pular,
Mas não sei se devo
Será que resolve me suicidar?
Pular e me entregar?
Por uma coisa ou alguém…
É melhor primeiro eu pensar…

Carlos Jorge, 22 de Fevereiro de 2008.
Escrito às 04:01 AM

2.PROCURANDO BELEZA EM ESPAÇOS NEGATIVOS (1ª Versão)

Eu ainda procuro, em locais escuros
Uma forma de vida, uma coisa bonita
Algo que me acenda, mas é uma pena…
Nada consigo achar, mas continuo a procurar
Mas algo me diz, que não é aqui
O lugar certo, que vou ser feliz…
Preciso mudar de lugar…
Pois, aqui nada vou encontrar…
O que estou procurando, requer calma…
É uma coisa simples, porém rara.
Singela, porém, de certa forma é cara
Mas chega disso…
É hora de sair daqui…
Preciso me ajudar, e procurar…
Em outro lugar.

Carlos Jorge, 24 de Fevereiro de 2008


3.PROCURANDO BELEZA EM ESPAÇOS NEGATIVOS (2ª Versão)

Bem eu não sou um objeto seu
Mas você insiste em me usar,
Porém, estou aqui na sua frente
Estou te procurando…
Você não me vê! E vice-versa…
Sei que você está presente.
Posso te sentir, posso te ouvir
Sua respiração, seu coração.
Mas você está em outros…
Espaços negativos, estranhos…
Confusos!?
Quem é você? Porque eu te busco?
Estou procurando… Buscando…
A beleza,
O amor,
A resposta do “por que”.
Estou aqui, não vejo…
Procurando beleza em espaços negativos.

Carlos Jorge, 5 de Abril de 2008


4.VAZIO…

Nada tenho a falar,
Pois tudo está no ar,
Não posso ressaltar,
Pois não há como expressar…

Um vazio tomou conta,
Não venha me acalentar,
Não é da sua conta,
Eu não vou chorar…

Minhas idéias…
Minhas lembranças…
Meus sentimentos…
Estão a desencarnar.

Mas eu não vou chorar,
Eu não vou relutar,
Estou apenas trilhando,
Espero não estar me enganando…

Carlos Jorge, 5 de Abril de 2008


5.PLÁSTICO

Eu sou falso…
Queria poder viver,
Mas é fato,
E você pode ver…
Sou de plástico.

Sou de mentira…
E isso me irrita,
O que eu faço?
Você liga?
Sou de plástico.

Mas você achou em mim…
Um coração!
Isso me anima,
Você se importa…

Carlos Jorge, Data esquecida


6.NA VARANDA


O sol brilhava
Você me iluminava,
Seu sorriso me irradiava.
De amor, emoção, felicidade…
Eu sonhava com aquele dia.
E ainda estou a sonhar,
Quero você para me iluminar.
Sonho acordado com você
Sonho todo dia com você…
Aqui na varanda.

Carlos Jorge, 14 de Junho de 2008 em Stª Cruz Cabrália


7.SAUDADES

Saudades…
De você,
Dela, e dele…
De todos vocês!
Sinto tanta falta,
Acredito que vocês também,
Eu quero vê-los,
Eu quero tocá-los,
Eu quero voltar,
Voltar e encontrá-los!
Saudades…

Carlos Jorge, 14 de Junho de 2008 em Stª Cruz Cabrália


8.“SALVE!”

Salve! Salve!
Você é um presente,
É o sentido da minha vida,
Eu sonho tanto no dia,
Que eu me esqueço de dormir à noite.
Quero que saiba,
Que amo!
Que adoro!
Que venero!
Tudo o que você é.
Sou grato por tudo,
Você é incrível!
E eu amo você!

Carlos Jorge, 14 de Junho de 2008 em Stª Cruz Cabrália